18 agosto 2013

Scan com Transcrição: Robert na Revista El País (Espanha) - Novas fotos da Camapanha Dior e Entrevista


Ele não colocou a audiência no bolso. Nem ele fez entender. Mas ele fez acordar um instinto muito feminino: o maternal. Essa não era a noite de Robert Pattinson. O britânico de 27 anos, levantou-se no palco do Soho House, um clube de Los Angeles privado, para falar sobre sua primeira empresa de luxo: Dior. Cerca de 30 meios de comunicação internacionais, incluindo esta revista, tinha assistido à estreia de 1000 Lives, o comercial para a Dior Homme (on-line em dior.com em 1 de setembro). "Eu sou incapaz de ver uma audiência como tal. Em meus olhos são todos os indivíduos e, na minha cabeça, eu tento ter uma conversa com cada um deles. Isso é impossível." Ele pede desculpas no dia seguinte,sentado em um sofá no Beverly Hills Hotel.
O ator recupera sua confiança. Adeus a timidez. Durante o cara a cara Pattinson - com barba, um chapéu, calça jeans e camiseta - Medidas de tempo e palavras. E ele inspira o instinto muito diferente ao materno.

Ele não gosta de falar sobre sua vida privada, ou seus primeiros anos como modelo. Seu objetivo: construir uma carreira sólida, deixando para trás os rótulos de que menino e fenômeno em massa "Se eu pudesse ir para Cannes todos os anos, eu estaria bem com renda mais baixa. Eu gosto de todos os meus filmes para passar por esse festival." Ele nos garante. E ele é sério. Suas primeiras tentativas, após a Saga Crepúsculo foram: Água para Elefantes (2011) e Bel Ami (2012), que não fez resgatá-lo do circuito de corrente principal. No entanto, Cosmópolis (2012), o filme de David Cronenberg, fez. "Não foi nada como qualquer coisa que eu tinha feito antes, e eu adorava isso.", admite. O que está por viré ainda melhor. Mission: Blacklist (Jasper Granslandt), The Rover (David Michod), Queen of the Desert (W. Herzog) e Maps to the Stars, próximo filme de Cronenberg. "É mais acessível do que Cosmópolis, embora não tanto como A History of Violence. O roteiro é escuro. Acho engraçado, mas você tem que ter um sentido muito especial de humor para vê-lo dessa maneira: não é uma comédia."

Sua capacidade de captar a ironia é, provavelmente, em parte, por causa de suas raízes inglesas. Pattinson cresceu em Barnes, sudoeste de Londres. Quando ele era criança, suas irmãs vestiram-se como uma menina. Sua aparência - um pouco feminino, então - não o fez transtornar. Pouco do que é deixado - olhos azuis, emoldurados por interminável cílios e certa delicadeza. Mas um monte de seu passado de modelagem. Sua mãe, agente do modelo,apresentou-o a ele e Robert posou até que ele tinha 16 anos de idade. Então, ele tem um fim para agir e, desde seu papel em Harry Potter e o Cálice de Fogo (2005), ele não parou. Os críticos concordam, ele não é apenas um rostinho bonito.

Um de seus próximos projetos é "Queen of the Dessert" por Werner Herzog. Você está apenas interessado em cinema de autor? 
- "Eu quero trabalhar com gênios. Estou tentando recriar minha lista de filmes favoritos de quando eu tinha dezessete anos. Eu conheci Werner, conversamos, e duas semanas depois, ele me ofereceu o papel de Lawrence da Arábia. Começamos a filmar no final deste ano."

Você não tem muitos lançamentos em 2013. Mas está chovendo papéis para você. Para The Rover, um faroeste moderno, você passou dois meses em uma cidade australiana coberto de poeira, suor e rodeado por moscas. 
- "Não é um cenário muito animador. Meu personagem quebra os dentes, sangra, se espalha com lama. No set, ninguém fez um esforço para um look quente, exatamente o oposto de Twilight.
Esse é um passo ...
Yeah! De agora em diante, eu nunca vou usar um!"

Fãs devem estar tristes agora que você cortou o cabelo.
- "Era um símbolo distintivo. Mas foi por causa da preguiça. Eu não queria ir ao barbeiro, porque eu não quero pagar por um corte de cabelo. Eu só consertei quando eu tinha que fazer um filme."

Então, você não cuida de si mesmo?
- "Eu preciso fazer mais. Ainda ontem eu estava pensando de rugas e cabelos brancos."

Ele não o esconde, Pattinson faz um esforço para parecer menos bonito. Ele é como Brad Pittnesse aspecto. E por Nan Goldin, o fotógrafo da campanha de Dior Homme, é perfeito. O artista, famoso por fotografar os lados obscuros da vida, ressalta as feições assimétricas e fá-lo parecer mais velho.

Ontem, na conferência de imprensa, você admitiu a sentir adulto. De que maneira?
- "É um sentimento que começou há oito meses (????), quando eu fiz 27. Fui tomar as decisões adultas há anos. Gostaria de pedir aos meus pais conselhos, mas eles não sabiam o que me dizer. Felizmente, eu estou mais confortável agora."

Você interpretou Edward Cullen em cinco filmes, o suficiente para sentir afeto. Foi difícil dizer adeus para o vampiro e estabilidade da saga?
- "Eu não poderia ter filmado outra. Ficou cada vez mais difícil e eu me senti como se eu estivesse me repetindo."

Como você lida com o preconceito? Ao fazer filmes para adolescentes, eles acham que você é menos inteligente.
- "Atores que constroem a carreira depois de uma franquia geralmente são inteligentes. Um projeto como Crepúsculo: não é apenas sobre como manter o trabalho, trata-se de não perder a cabeça. Edward era jovem, ele foi para a High School. As pessoas achavam que eu era, também, mas realmente eu tinha 21 anos."

Você não gosta de falar sobre sua vida privada. Mas você é um fenômeno adolescente, você representa uma marca global. Como você lida com a fama?
- "A vida é decisões. Eu escolhi este trabalho, e ao mesmo tempo, me propus a não misturar pessoal e profissional. Isso permitiu-me para não ficar obcecado: Não tenho a pretensão para a mídia e para o público que realmente me conhecem. Se eu fizesse, eu ia ficar louco."

Você não usa loções. Mas você gosta de fazer compras e criar estilos, você criou Edward em Crepúsculo.
- "Estava filmando no Canadá, e por duas semanas, eu não tinha nada para fazer, então eu fui fazer compras. Mas eu não tinha dinheiro. Enviei fotos com as roupas que eu queria com textos como "Eu acho que Edward deve usar esses jeans". Muitos fizeram isso e o estúdio comprou as minhas roupas!"

No anúncio Dior, seu estilo lembra aos de Jean-Paul Belmondo e de Steve McQueen. Você gosta de sua estética?
- "Eu sou muito prático, eu vou para o vestuário básico, o que você pode usar por uma semana direto. Anúncios de fragrância tendem a ser perfeitos e estávamos à procura estética difíceis. Para as filmagens, nós tínhamos muitas opções, mas eu estava determinado a usar a mesma coisa o tempo todo. Eu acabei estragando um casaco. E eu pulei códigos: eu estava vestindo uma t-shirt por baixo de uma camisa. Eu vi isso como muito anos 50, muito masculino. No entanto, na França isso é feio, o oposto do chique.

Certo que vai se tornar uma tendência. São essas as suas décadas favoritas, a de 50 e 60?
- "Sim. Eu realmente gosto de seu espírito prático. Um lote de ternos pareciam uniformes.Eu não sou um defensor da trivialidade."

Uma vez você disse que preferiria passar 10 anos com uma menina em vez de 10 minutos.
- "Eu ainda acho a mesma coisa, mas isso depende da pessoa."

Você foi muito envolvido no anúncio Dior. Se você dirigisse ou produzisse um filme, que gênero seria?
- "Minha perspectiva como diretor é muito diferente: eu sonho de gravar um filme de grande orçamento. Um de ficção científica."

Seu filme favorito deste tipo?
Blade Runner e Star Wars. Eu adoro ficção científica, eu adoro a forma como ele cria universos. Quando você é uma criança e você assistir The Empire Strikes Back, você se identifica com os personagens, você acredita que você é um deles, mesmo quando o filme terminou. É fascinante. Eu, por exemplo, ainda quero brinquedos Star Wars. Se alguém me desse uma espada laser para o meu aniversário, eu iria ficaria feliz.

Agora que eu vejo você em um chapéu. Eu acho que você tinha um grupo de rap na escola.
- [Risos] "Sim. Eu fui para a escola privada e meus amigos e eu tocamos todos os dias. Eu estava obcecado, eu escrevi canções de rap na sala de aula. Dos quinze a dezassete anos, eu levei isso muito a sério. Eu ainda gosto disto, eu gostaria de gravar um álbum."

Muitos de seus filmes são baseados em livros, você gosta de literatura?
- "Eu costumava ler muito. Mas o meu foco ficou pior. Meus favoritos são autores russos e histórias escuros, onde não há nenhuma esperança."

Então, você está nostálgico ou pessimista?
- "Não. Eu não sei porque eu gosto desses tipos de histórias. Mas eu faço. Eu reli Dublineses por James Joyce no outro dia. Eu dei A Painful Case, minha história favorita, a um amigo.Ele disse que era a coisa mais deprimente que lera em sua vida. Eu amo isso. Há algo nessas histórias que me permite conectar comigo e que me faz feliz."

Fonte  ||  Via/Trad || Adaptação Saga CrepusculoAP

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...