29 novembro 2012

FanFic: O Poderoso Cullen - Capitulo 30



Autora(o): Elly Martins (BRA)
Gênero: Romance, drama, Mistério, universo alternativo
Censura: +18
Categorias: Saga Crepúsculo
Avisos: Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Fonte : Robstenlegacy

**Atenção: Esta história foi classificada como imprópria para menores de 18 anos.**

MUITO PERTO DO FIM

Bella POV

Coisas demais na minha cabeça. Às vezes eu achava que não ia suportar aquilo tudo. Era um pai vagabundo, irmão, minha mãe... e claro, meu marido quase morto. Parece que as coisas ficavam aguardando tranquilamente. Quando pensava que estava livre de uma... a outra vinha. Começava a ter dúvidas se era uma Poderosa mesmo.
O único alívio era saber que tinha Edward ao meu lado. Embora às vezes, minha vontade fosse de matá-lo. não sei que prazer ele encontrava em tirar onda com minha cara. Fazendo-me quase morrer de tanto ciúmes ou simplesmente se fazendo de bravo comigo.

Entretanto devo concordar com ele em uma coisa: eu sou uma idiota. Quando demonstrações de amor ele já me deu? Mas ninguém pode me crucificar. Quem não sentiria ciúmes de um homem lindo e tesudo feito ele?
- Que besteira está pensando agora?
- Por que diz isso?
- Essas bochechas vermelhas não me enganam, Bella.
- Deixe de ser curioso.
- Bella...
- Ai, Edward. Nós mulheres temos segredos, sabia?
- Sabia. Mas pra mim não deve ter segredos. Fale agora.
Bufei.
- Estava pensando no quanto meu marido é lindo e gostoso. Está bom assim?
-Já imaginava isso.



Revirei meus olhos e olhei pela janela. Ele riu e afagou minha mão.
- Bella?
Quando olhei pra ele sua expressão era preocupada.
- Você está bem mesmo? Não tem sentido nada de anormal?
-Não. Por que pergunta isso?
-Você passou por muita coisa ultimamente, Bella. isso pode ser prejudicial a vocês.
- E você contribui e muito pra isso, não sabe?
-Porque você é tola. Eu vou te dizer algumas coisas e verá como tenho razão. ´

Esperei, encarando-o
- você é linda. Existem outras mulheres lindas? Claro que existem.
Fechei minha cara e cruzei meus braços em frente ao peito, fazendo-o gargalhar.
- Olha só você... Muito bem. Da mesma forma existem homens lindos. E eu pergunto: E dai? Eu não estou com você somente por sua beleza, e tenho certeza que o mesmo acontece com você. Eu acredito realmente que eu so iria me interessar por outra mulher, se existisse alguma brecha entre nós... se me faltasse alguma coisa. E não me falta absolutamente nada. Eu tenho tudo com você, Bella.
Merda de homem que sabia mexer comigo. Como eu poderia sentir raiva, brigar, maltratar um homem desse?
- Você é... completamente diferente de todas que já conheci. É tão madura pra sua idade. Sinceramente às vezes eu me esqueço que você tem apenas dezenove anos.
- Eu sei Edward. Eu tento pensar dessa forma, mas é uma coisa incontrolável. Quando eu vejo... já foi. E não adianta... você é lindo demais, gostoso demais...e eu morro de ciúmes mesmo.
Ele riu novamente.
- Eu também sinto isso e você sabe muito bem. Já me viu várias vezes tendo um ataque de ciúmes.
- Ah.. sim...a piscina está la para não me deixar esquecer.
- Pois é... apesar disso nem me passa pela cabeça que você poderá me deixar um dia....
Ele fez uma pausa.
- Mesmo porque eu mataria você.
Dessa vez eu ri alto.
- E como iria ficar sem mim?
- Não ficaria. Eu me matava depois.

Olhei pra ele, assustada. E fiquei mais assustada ainda ao constatar que ele falava sério.
- Deus me livre, Edward. Nem brinque com isso.
Ele, entretanto, mudou de assunto.
- Quando é que vamos sentir os bebês se mexendo?
- Também me pergunto isso.
Eu respondi, mas já olhando para o gigantesco hotel onde Edward entrava. Abriu a porta pra mim e entregou as chaves para o manobrista. Passamos pela recepção e Edward parou para verificar em qual quarto Victoria estava.
- Não vai pedir para anunciar você?
Ele apenas me olhou e nem se deu ao trabalho de responder. Pegamos o elevador e paramos no oitavo andar. Edward deu uma leve batida na porta do quarto. Um tempo depois ouvimos a voz de Victoria.
- Quem é?
- Edward.

Ela abriu rapidamente a porta e seu rosto demonstrava surpresa.
Olhou de Edward para mim antes de falar.
- Nossa... isso é realmente uma surpresa.
- Preciso falar com você, Victoria.
Ela abriu passagem para que entrássemos.
- Como vai, Isabella?
-Estou bem, obrigada.
Sentei-me ao lado de Edward, a mão dele entrelaçada na minha.
- Em que posso ajudá-lo, Edward?
- Vou direto ao assunto. Conhece-me muito bem. O que você sabe a respeito da mãe da Bella?

Estranhamente a expressão dela não se alterou. Provavelmente ela já sabia que Edward iria procurá-la e sim... ela sabia alguma coisa.
- Eu também serei direta com você, Edward. Dom Matteo quer a mim. Por isso estou escondida aqui.
-Sim, a Tânia me falou. Mas por que ele quer você?
- Para que eu o leve até a mãe de Bella... ou melhor, para minha irmã.
Eu abri minha boca, mas tapei-a com a mão para abafar meu grito. Edward por sua vez semicerrou os olhos... daquele jeito perigoso que costumava fazer.
- O que você está dizendo, Victoria? Está querendo dizer que você e Bella...
Ela me encarou com seus grandes olhos verdes. Minha respiração estava acelerada e era possível perceber meu peito subindo e descendo de forma incontrolável.
-Renné se casou aos quinze anos... apaixonada por Charlie. Eu ainda era criança. Ainda nessa época meus pais se separaram justamente por causa do casamento. Minha mãe não aceitava. Desse jeito eu fiquei com minha mãe. Meu pai faleceu uns dois anos depois. E minha mãe faleceu ha seis meses.
Edward franziu o cenho.
- Eu não sabia disso.
Victoria ficou um tempo pensativa e depois suspirou.
- você se lembra que minha mãe também não gostou quando vim morar com você? Na verdade nem era nada contra você. Nesses anos todos ela acompanhou a vida de Renné. Sabia tudo o que se passava com ela. E me contou que Charlie conhecia Dom Matteo desde seu casamento. Vivia naquela vida que você já sabe: drogas, mulheres... ou melhor...meninas...E Charlie acabou colocando Renné nesse meio. Depois que Bella nasceu... Renné fugiu. Ela não agüentava mais aquela vida.
- E teve coragem de abandonar a Bella?
- Ela não tinha para onde ir, Edward. Acho que ela pretendia encontrar um lugar para ficar e so depois voltar para buscá-la. Ela mudou de nome, falsificou documentos e simplesmente desapareceu. A única que mantinha contato com ela era minha mãe.
- E você sabia disso?
- Minha mãe so me contou logo depois que... eu sai da nossa casa.
- E por que não me contou nada? Meu Deus do céu, Victoria... era minha chance de pegar Dom Matteo. Se Renne sabe tanto assim....
- Primeiramente porque eu sei das regras, Edward. Nenhum contato, esqueceu? E depois...aquele maldito Mike.Ele tentou...me violentar certa vez. Eles adoram pegar as mulheres que foram suas, Edward.
Engoli em seco. Eu odiava ouvir aquilo. Odiava lembrar que várias mulheres passaram pela cama do meu marido.
- Desgraçado.
- Então...eu acabei implorando e deixei escapar...que eu era tia dele.
- E obviamente ele foi correndo contar para Dom Matteo.
- Exatamente. E desde então ele está atrás de mim.
Edward inclinou-se em direção a Victoria.
- Onde Renné está?
- Eu...

Ele se levantou no mesmo instante, fazendo nós duas pularmos de susto.
- Nem me venha com essa. Você vai me dizer onde ela está e eu irei atrás dela.
Lágrimas silenciosas escorreram pelo rosto de Victoria.
-Eu ...tenho medo, Edward...
Ele andou de um lado a outro e depois parou à sua frente.
- Arrume suas coisas, Vic. irei tirar você daqui.
Minha respiração ficou suspensa. Se Edward ousasse levar essa mulher pra nossa casa...Tá certo que já conversamos sobre nossos relacionamento. Mas levar a ex mulher... isso não. Ainda que fosse minha... tia.
Victoria também pareceu constrangida.
- Vou levá-la para a casa dos meus pais. Alice ficou anos lá. Não se preocupe. estará bem mais segura do que aqui.
Ela não se moveu e Edward deu um suspiro exasperado.
- Eu não tenho o dia todo, Victoria.
Ela me olhou como se me pedisse permissão.
- você o conhece tão bem quanto eu, Victoria.
-Eu... eu já volto.
Assim que ela se afastou, Edward sentou-se ao meu lado e beijou minhas mãos.
- Obrigado, amor.
Sorri e passei a mão em seus cabelos. Tinha que aprender a lidar com meu ciúme. Não tinha saída.

******************

Quando finalmente Edward estacionou em nossa casa, meu corpo pedia cama. Estava morta de cansaço. Levamos Victoria para casa de Carlisle e tivemos que recontar toda a história. Quem diria...a ex mulher de Edward era minha tia. Ah...essa vida estava acabando com minha sanidade.
- Quase que você foi meu tio.
- Puff...deixa de conversa fiada.
- É verdade.
- Quero esquecer esse assunto por ora. estou cansado, amanhã temos um longo dia. tudo o que quero agora é um banho e depois fazer amor com minha mulher.
Mordi meus lábios, já adorando aquela idéia.
- Amor ou sexo?
Ele riu.
- Primeiro sexo...depois amor.
Ele segurou minha mão enquanto caminhávamos até a entrada da casa.
- Por que não o contrário?
- Porque eu estou cansado e nervoso. E quando estou assim tenho que extravasar.
- Ah...e vai fazer isso dentro de mim?
- Ah...Bella nem me fale isso que já fico duro so de imaginar.
Eu gemi so em ouvir isso.
-É verdade. Sabe o que parece? Parece que você se fechou com medo que os bebês saiam a qualquer momento.
- O que quer dizer com isso?
- Quero dizer que você está ainda mais apertada que normalmente é. Porra, Bella se você soubesse a vontade que eu tenho de...argh...

Eu arfei. Eu conhecia aquele jeito selvagem dele muito bem. E eu so faltava palpitar por isso. Apertei a mão dele e ele me olhou.
Sabia que minhas bochechas deviam estar pegando fogo.
- Você não vai me machucar.
- Puta que pariu...mas é gostosa mesmo. Bastou eu falar....
Agarrei-me a ele, segurando em seus cabelos.
-Sim. Bastou você falar e já estou louca para sentir você ...
Ele curvou um pouco o corpo e capturei sua orelha,mordendo-a de leve.
-Inteiro dentro de mim.
Ele rosnou e apertou minha cintura com tanta força que fiquei na ponta dos pés.
- Acho que não vou conseguir esperar ate sair do banho.
Edward engoliu minha boca,quase arrancando minha língua. E foi assim que entramos em casa. Aos beijos...um quase comendo o outro.
-hanhã...
Edward se separou de mim no mesmo instante. Alice estava parada ao lado de Jasper, torcendo as mãos. Claro que sabia que estava procurando a morte, interrompendo Edward desse jeito.
- O que é?
- Não brigue comigo, Edward. Mas tem uma mocinha querendo falar com você.
- Brianna?
-sim.

Edward girou e foi direto para o escritório. Lembrei-me das palavras de Tânia: bem ao estilo da Bella.
Não perdi tempo e corri atrás. Edward, incrivelmente não se opôs. Pelo contrário, segurou minha mão enquanto entrávamos no escritório.
Uma garota um pouco mais baixa que eu, pele clara e cabelos castanhos estava sentada no sofá de couro olhando para a porta. Sua boca se abriu ao olhar para Edward. Posso dizer que literalmente ela babou no meu marido. Tinha minhas dúvidas se as garotas de Dom Matteo eram tão ingênuas quanto diziam.
- Brianna?
- Sim, senhor Cullen.
Edward apertou a mão dela e em seguida passou o braço em minha cintura.
- Essa é minha esposa...Bella.
- Oi, Bella.
- Olá.
-Quer falar comigo...
-Sim. acho que só o senhor pode ajudar a mim e a minha irmã.
-Dom Matteo está com sua irmã também?
- Está.
- Quantos anos tem, Brianna?
- Dezesseis.
- hum...e sua irmã?
- Catorze.

Edward passou as mãos nos cabelos tranquilamente e em seguida sentou-se, encarando a garota.
- Como foi que chegou ate mim? Ao que me consta os homens de Dom Matteo estão atrás de você..
-Eu fico sempre escondida. E alem disso uso a peruca que ...que roubei.
Edward ergueu a sobrancelha cinicamente.
-Anda aprontando por ai?
- N...não. Foi so para me proteger mesmo.
-Sei...mas ainda não me respondeu como chegou até aqui.
- Ontem à noite eu estava dormindo num banco e vi quando seu irmão passou com uma moça loira.
- Emmett?
-Sim...um grandão. Aí fiquei so esperando enquanto eles saíam do...do...
Edward revirou os olhos, impaciente.
- Do motel.
A garota ficou vermelha e baixou a cabeça.
- Sim. Ai quando saíram corri pra falar com ele. Ele não acreditou muito, mas depois que eu falei que Tânia podia confirmar...ele ligou pra ela e me trouxe pra cá.
- E que provas você tem contra Dom Matteo?
-Bem...eu tenho dois filmes...que eu roubei do irmão dessa dai.
Olhou para mim.
- Dessa daí o cacete. Olha lá como fala comigo, pirralha.Eu sou a esposa desse homem , a dona dessa casa...
Eu sabia que minhas bochechas deviam estar quase roxas de tanta raiva.
-Hei...calma,amor.
-Desculpe. Eu não falei por mal.
- Acho bom.

- Continue, Brianna.
-Então. O Mike gostava de filmar tudo. Ele tem vários filmes. Mas eu consegui pegar pelo menos esses dois. Tem todos eles...todos.
-Está com eles ai?
- Ah...sim. Eu sempre guardava muito bem guardado. Er... o senhor pode se virar?
Ele franziu o cenho, mas nada disse. Apenas girou a cadeira ficando de costas pra nós. Ela rapidamente desceu a calça e retirou um embrulho. Uma mistura de jornal e papelão, no meio das coxas e em seguida se vestiu de novo. Estendeu-o para mim.
- Obrigada.
Edward se virou novamente e pegou o embrulho. Abriu-o e tirou dois pequenos cd´s la de dentro.
- Eu irei ver isso junto com Bella. Você ficará aos cuidados do meu pai, assim como outra amiga. Amanhã eu irei procura-la.
- Está certo. Eu so peço...por favor, senhor. Cullen. Aja depressa. Minha irmã…
- Fique tranquila. Eu lhe dou minha palavra. Agora venha que o Jasper irá levá-la até a casa dos meus pais.
Enquanto Edward dava instruções ao Jasper,Alice conversava com a garota. Eu so pensava nos filmes que estavam nas mãos de Edward. Provavelmente não seria coisa agradável de se ver.
Assim que eles se foram segui com Edward até a sala de TV.

-Você mesma disse que assistia filme pornô. Isso aqui não deve te deixar muito horrorizada.
Mas o pior foi que deixou. Nem nos filmes que assisti, vi tamanha orgia...tamanha... nojeira. Essa era a palavra. Edward observava, o maxila travado, os olhos quase se fechando em fenda. Ali estavam James, Mike, Dom Matteo e vários outros...todas com garotinhas.
Edward balançou a cabeça e tirou o filme,colocando o outro em seguida. E foi ali que meu coração disparou e meu estômago revirou. Mike com a tal Brianna. Realmente ela se parecia muito comigo. Confesso que quase pedi para que Edward tirasse o filme. Mas antes que eu falasse qualquer coisa, ouvimos a voz do Mike.
-Ahhh...Bella...rebola no meu pau...
A respiração de Edward ficou suspensa. E o desgraçado continuou.
-Rebola, maninha... vou gozar em você gostosa.
As mãos de Edward fecharam-se .
-Desgraçado, filho da puta.
Ele saiu da sala tão rápido que foi apenas um borrão passando por mim. Corri atrás dele.

-Edward...Edward...
Mas ele caminhava em direção ao cativeiro do \Mike.
Era o fim. E eu nem poderia ter o gostinho de acabar com meu irmão na manhã seguinte. Edward iria matá-lo com as próprias mãos.
E com a fúria que ele estava...era melhor ficar fora do caminho dele.


"Os covardes morrem várias vezes antes da sua morte, mas o homem corajoso experimenta a morte apenas uma vez.(William Shakespeare)


**continua**


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...